sábado, 31 de julho de 2010

Happy Birthday for me!


A vida é mesmo cheia de fases! Eu me lembro que quando era criança, minha mãe sempre fazia festinhas de aniversário pra mim e eu odiava ganhar roupa de presente, queria mesmo era brinquedo. Hoje em dia, não tem mais festinha, é família e uma graninha pra gastar como quiser. Acredito que assim como nossos gostos mudam, nós também vamos mudando, evoluindo, amadurecendo. Nossas prioridades não são mais as mesmas, nosso ritmo de vida... o que me faz perceber que nem toda mudança é ruim. É preciso mudar a cada dia, deixar um pouquinho da tristeza, do medo, da insegurança, da baixa auto-estima e etc. ficarem no ontem e convidar a felicidade pra fazer parte do hoje. Quando era pequeno, sempre me imaginava maior, com os meus 17 ou 18 anos e eu não sou nadinha daquilo que eu pensava que seria o que não me faz ser pior... De uma coisa eu sei: a cada dia busco tirar lições de vida de tudo que presencio e vejo para poder ir construindo defesas, dispensando tristezas e reforçar tudo o que me faça bem. O que realmente importa eu tenho: um Deus protetor ao qual confio toda a minha vida, uma família linda que eu amo desesperadamente, amigos e – hoje em dia – amor próprio. O resto, eu sei que virá.

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Em que momento da vida a gente pára de se apaixonar?


Acho essas questões de amor muito estranhas. Eu nunca fui bom nesses joguinhos de conquista e sedução, um dos meus maiores defeitos (ou qualidade) é a sinceridade. Eu não sei fingir sentimentos, muito menos camuflá-los. Eu erro, erro bastante por criar histórias com finais felizes que só existem na minha mente. Não sei se todo mundo é assim, mas acredito que até esses sujeitos do tipo “predador” devem sentir ou já sentiram algo por alguém. Todo mundo já teve aquela paixãozinha não-correspondida, mas o que difere é a maneira com que lidamos com ela. Sinceramente eu acho que a minha maneira de enfrentar os fatos já é bem mais confortante. Com a maturidade eu aprendi que a gente precisa por o sentimento pra fora. Sofri muito e inúmeras vezes. É mais cômodo nos acostumarmos com aquela gostosa relação imaginária do que encarar os fatos e correr o risco do seu sentimento não ser recíproco ou aquela pessoa já estar sendo feliz com outro alguém. Mas também existem aquelas pessoas bacanas que, mesmo não tendo sentimentos por você, se põem na sua pele, te compreendem, te tratam com carinho, mesmo sem te dar esperanças... Enfim, acredito que o coração nunca vai parar de bater mais forte por alguém ou por várias pessoas ao mesmo tempo, confundindo a nossa mente. A questão é: ou você aprende alguma coisa valiosa com cada paixão ou simplesmente as descarta depois de usufruí-las. Mas confesso uma coisa: você aprende mais sobre você e do quanto você é capaz de aprender e superar, depois que você se declara, se expõe.  O medo só deve acompanhá-lo para deixá-lo mais sensato, nunca para fazê-lo desistir!

Primeiro post!

Boa noite queridos! Estava sentindo saudades de ter um blog e resolvi refazer um. Não sei se vou conseguir atualizá-lo diariamente, mas sempre que possível virei aqui pelo menos para dar um "oi!". A respeito do título do blog, já uma mensagem legal já que, todos os dias temos que nos redescobrir. No mais espero que gostem, se divirtam, se emocionem etc e tal. Grande abraço.