sábado, 14 de agosto de 2010

Mundo Monstro


A falta de cordialidade, de respeito, de amor, de compreensão e de generosidade para com o próximo são marcas do mundo em que vivemos hoje. As pessoas têm coragem de olhar para uma criança com um olhar de repúdio e preconceito pelo simples fato de serem portadoras de necessidades especiais, ou por serem de etnias diferentes, etc. Espero que saibam que, com a mesma voracidade com que elas olham essas crianças, os olhos de Deus estão sobre elas! Todos os dias somos expostos à dura realidade em que fomos inseridos desde que nascemos. À medida que os anos passam, parece que o amor vai se esfriando, as pessoas se afastando... Hoje em dia, amar é coisa de momento. Carinho é para encobrir algum erro cometido. Cordialidade é interesse. No mundo de hoje, homens não choram, não sentem. São uma máquina programada para receber prazer. Os que fogem à regra são considerados motivo de riso e pagam um alto preço por seguirem simplesmente o que sentem. Hoje, eu cansei de fazer parte desse mundo, onde os valores não existem mais e tudo é a ferro e fogo, cada um por si. Queria poder desaparecer por um momento e encontrar esse lugar tão sonhado, onde o meu amor fosse valorizado e aonde amar valesse à pena. Já li vários e vários textos abordando sobre os problemas do mundo de hoje e como nós não podemos resolvê-los: foi o próprio homem quem fez o mundo ficar assim! O que o mundo valoriza (status, dinheiro, fama, beleza...) é muito pouco pra mim. Eu quero é intensidade! Todos os dias, antes de dormir, eu corro pra poder tirar todo o amargo que o mundo germinou no meu coração. Procura-se um coração puro! É você quem decide se quer fazer parte da podridão humana ou se vai fazer a diferença, parafraseando Shakespeare "o meio tem influência sobre você, mas é você o responsável pelas suas escolhas". Termino esse texto com as últimas palavras da Morte em A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak: “OS SERES HUMANOS ME ASSOMBRAM!”

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela visita e comentário. Que possamos redescobrir sempre, e sempre juntos, muitas coisas boas!