segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Embora poucos saibam ou tentem não acreditar...

Toda mulher tem, embora poucos saibam ou tentem não acreditar, uma beleza que é só delas. Essa beleza não depende do comprimento do cabelo ou do peso ou, ainda, do tamanho do nariz. Essa beleza, começa de dentro pra fora e se exterioriza num sorriso, num olhar, num tom de voz... e, embora poucos saibam ou tentem não acreditar, essa beleza não muda com as circunstâncias. Toda mulher recebe essa dádiva, mas, nem todas conseguem conservá-la. Algumas, infelizmente, embora poucos saibam ou tentem não acreditar, apodrecem por dentro e sufocam qualquer resquício dessa beleza singular. Mas mesmo assim, ela pode voltar. Embora poucos saibam ou tentem não acreditar, a gente colhe o que a gente planta, mas, a gente também pode mudar o plantio.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Com a alma cansada

Por mais longas que sejam as férias que dei pro meu coração, ele continua cansado. Tem dias que simplesmente bater é penoso demais pra ele. E eu estou farto! Cansado dos mesmos erros, dos mesmos sonhos, das mesmas expectativas frustradas, das mesmas lágrimas e de todo esse movimento cíclico das minhas emoções. Já não aguento mais! Eu queria mudar, só que não sei como. Parece não ter saída. Apagaram a luz no fim do túnel antes que eu pudesse enxergá-la. Cansei de ficar no escuro.

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

É pra já

Estou cansado de ficar no "banco de reservas" da vida. Estou indo jogar, sem pretensões de ser campeão, sem cobranças, sem medo. Estou cansado de ficar me colocando freios, empecilhos, muros. De ficar alimentando meus "monstros de estimação". Cansei de ser figurante da minha história.
Cansei, simplesmente. E não é a primeira vez.

Estou indo viver.

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Idas e Vindas

Gosto de dias cinzas. Sempre gostei de climas instáveis porque se parecem comigo. Carrego dentro de mim tempestades e às vezes sou só brisa. Mas quando chove, molha demais, quase inunda. Gosto dessas idas e vindas do tempo porque de idas e vindas também é o meu coração. Tão inquieto, tão burro, tão inocente e depravado ao mesmo tempo.
Gosto de me imaginar num lugar tranquilo onde o vento me inventa asas. Fecho os olhos e acho tudo tão bonito, tão real. De verdade mesmo, sabe?! Onde eu posso me encontrar sem esses "enfeitizinhos" que a gente inventa pra mascarar o que, muitas vezes, a gente sente.
Gosto de emoções à flor da pele, de sentir que estou vivo, que consigo sentir. Enquanto sentir, estarei vivo. Porque o sentimento é o que basicamente me move.
Gosto do barulho da chuva. Esse som delicioso que pode ser tranquilizador e, dependendo da intensidade, assustador. Gosto, porque a gente também é assim, depende de por qual ponto de vista estamos sendo analisados e quem faz essa análise.
Não gosto das coisas dentro de fôrmas. Aliás, coisas dentro de fôrmas eu até posso gostar, mas de pessoas dentro de fôrmas, eu tenho ojeriza. Acho que todo mundo é rico demais pra tentar se igualar. Não gosto de tudo muito "certinho" porque perde a vida. Porque a vida é incerta e essa incerteza que nos torna verdadeiramente humanos.
Pra completar: Aprendi que não adianta tentar passar todos os meus caminhos à limpo. Essa mão canhota é humana e erra, mais de uma vez. Muito mais.



P.S.: Desculpem o sumiço. Mas o que eu mais gosto dessas "Idas e Vindas" são as voltas, porque elas sempre são mais felizes.

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Final Feliz



Quando uma ferida não cicatriza nunca, a gente aprende a fingir que não dói mais. Uma hora a gente aprende. Chegou a minha vez!

- No final, acabou tudo bem.

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Vômito

Vão dizer que você não é homem quando virem o que você escreve. Falam das suas roupas, do seu cabelo e até do jeito que você anda. Vão rir de você se souberem que você chora escondido à noite. Ainda mais quando souberem que você tem medos. Tantos medos e tão monstruosos que às vezes te impedem de fazer qualquer coisa. E vão dizer mais ainda se souberem que você é inseguro. Sabe, dizem que "homem de verdade" é isso ou aquilo e até hoje eu sinceramente não sei bem sobre o que é ser "homem de verdade". Eu apenas sou, de mentira ou de verdade, eu sou. Sempre estampei uma personalidade forte de quem não se importa sobre o que os outros pensam e sempre tentei agir assim. Mas chega uma hora que cansa. Chega uma hora em que você se sente esmagado quando vê certas coisas, ouve certas coisas. Coisas do tipo que eu nem sei explicar direito. Só sei que doem, numa intensidade dilaceradora. Hoje, como em muitos outros dias eu fiquei com vontade de vomitar. Qual o problema em sentir? O sentimento, as lágrimas, o amor... afetam em quê a masculinidade ou feminilidade de alguém? Homens só podem sentir desejo sexual pelas mulheres? Eu me recuso ser mais um desses escrotos por tanto tempo a troco de que? Se é deles que elas gostam, eu não sei o que eu estou fazendo aqui. Eu já perdi completamente o controle, não estou sabendo lidar com essa falta de amor próprio das pessoas, com a falta de critério. Você não pode ficar sozinha por um tempo, pra poder assimilar a vida com mais maturidade, com mais verdade, com mais intensidade? Você tem que estar sempre com alguém a qualquer custo? E ainda mais, qualquer idiota que aparecer pela frente serve? Será que você não percebe que eles só querem usar você? Eu não sei ser desse jeito e nem suporto ver pessoas que eu gosto sendo usadas. Me desculpem, homens, mas eu me recuso a ter que um dia me submeter aos "rituais" que vocês impõem. Eu tenho nojo de imaginar essa vida sexual completamente descontrolada, "qualquer uma serve". E o pior de tudo, pra mim, são as mulheres que se submetem a isso. Elas merecem mais.
Hoje, eu cansei! Cansei de ser a excessão, de dar murro em ponta de faca. Cansei de usar meu bom senso com quem não anda merecendo. Cansei do mundo, das pessoas e desse pesamento medíocre que domina. É sujeira demais!

domingo, 10 de julho de 2011

"As pessoas sempre vão embora"...

(Desenhos da Peyton - OTH)

Sempre detestei despedidas. Qualquer uma delas, seja lá por qual motivo. Sempre tive a impressão de que as pessoas estavam indo ser felizes e me deixando pra trás. E eu sempre fiquei. Fiquei tanto que me acostumei, andava quase em marcha à ré. Deixar as pessoas irem embora, dar férias ao apego que sinto tão fácil era e é muito difícil. Tenho uma carência muito grande em dividir a vida. Mesmo que em silêncio, gosto de saber que tem uma outra pessoa ali, pertinho de mim.
Com o tempo, fui ficando exigente, queria que esse tal alguém que me fizesse companhia correspondesse às minhas expectativas tão grandes, tão irreais. E a consequência disso, e o resultado disso, foi a solidão. Sintia uma lacuna em tudo que ia fazer. Porque até eu mesmo não consegui alcançar o grau perfeição que impunha. Era alto demais, pesado demais.
Então, como um vaga-lume que corta a escuridão da noite, eu aprendi a esperar das pessoas somente o que elas são capazes de oferecer. E, por outro lado, tentar oferecer a elas o máximo que posso, o melhor que posso. A vida é uma troca, já diziam os espertos. E a gente troca mesmo. Troca amor, carinho, amizade... Sentimentos são como uma ponte que precisa de dois lados para ser sustentada. Um lado só não aguenta.
"As pessoas sempre vão embora, mas às vezes elas podem voltar". E quando elas voltam, a saudade aproxima, esquece as mágoas, as exigências e esse monte de coisas inúteis que a gente põe como empecilho à felicidade. Mesmo quando elas não voltam, eu sei que o encontro ainda vai acontecer num lugar mais bonito, onde não exista dor ou sofrimento.
Finalmente, preferi abandonar as lágrimas na janela e resolvi pôr mais água no feijão. A gente nunca sabe quando alguém pode entrar na nossa vida.

("People always leave but sometimes they come back" - Peyton Sawyer [One Tree Hill])

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Com vontade de ser

Com  todo respeito a mim mesmo, estou com vontade de ser mais. Respeito a mim mesmo porque aprendi a me respeitar com o tempo. O tempo é grande professor da gente. Ensina o que devemos aprender através dos nossos próprios erros. Todo mundo já pensou em "se eu pudesse voltar no tempo, faria diferente", mas o que realmente acontece é que o que a gente queria mudar é o que nos ensina a ser quem somos. O medo, a covardia, a falta de amor próprio e tantas outras grandes e importantes coisas podem ser desaprendidas.
Estou com vontade de ser mais porque finalmente aprendi que posso. Ser mais, não é necessariamente ser mais do que sou, e sim ser mais quem eu sou. Viver o melhor que sou. Porque agora eu decidi que posso.

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Toca fitas


Coloca lá a nossa música e aumenta o volume do meu coração. Eu acreditava tanto, que ensaiava as cenas em que as nossas vidas se encontrariam. Ficava imaginando os seus olhos nos meus. Conseguia sentir tudo o que sentiria quando você estivesse em meus braços. Beijo na chuva, coração com coração. Cheguei até a ficar arrepiado vendo o seu rosto tão perto do meu, fantasia tão real. Aumenta mais o volume e me faz fechar os olhos. Quem sabe até arrisco algum passo de dança. Ali não tenho vergonha. E em cada nota é como se você estivesse mais perto de mim. E o refrão eu canto junto, vibro a cada palavra, felicidade a mil. Meu coração dispara em todos os agudos e nos graves também.

Coloca lá a nossa música e deixa eu sonhar um pouco. Sonhar sim, porque a nossa música, você nunca ouviu.

domingo, 12 de junho de 2011

De coração

Tumblr_l84q5nz2s61qbdnvro1_500_large

Que neste dia dos namorados, nós aprendamos amar a nós mesmos. Precisamos nos amar primeiro, pra que depois os outros façam isso. O amor começa de dentro pra fora. Pessoas se apaixonam por aquelas que se amam. Que, por terem amor próprio são capazes de amar por completo sem ser dependente desse alguém. Que saibamos nos amar a ponto de não deixar espaço dentro de nós para a tristeza, solidão ou amargura. Assim, abriremos mais espaço pro amor. Quem sabe o amor que outro possa sentir por você. O amor só dá certo quando compartilhado. Quem não se ama, não consegue abandonar tudo aquilo que trás desamor e preenche todo o "espaço" do coração com seus próprios fantasmas. O amor precisa acontecer, porque só ele consegue limpar todo sentimento ruim dentro de nós.
Resumindo, o amor entre duas pessoas acontece quando o amor por elas mesmas se encontram.

Amor atrai amor. Disso, ninguém pode fugir.

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Vaso ruim não quebra

Achava que já tinha ido embora. Que tinha me deixado em paz depois de tanto tempo me perseguindo. Achava que, finalmente, poderia viver a minha vida sem que sua presença tapasse qualquer raio de luz que viesse ao meu encontro. Mas a tristeza, meu amigo, é igual mulher insistente.

- Ela só deixa a gente em paz por um tempo pra quando voltar ser ainda mais notada. E ela consegue.

sábado, 28 de maio de 2011

Como criança


Quem dera eu se pudesse voltar a ser criança. Com aquele sorriso fácil, com aquela alegria intensa e completa por coisas tão simples. Quem dera eu se pudesse voltar a ser criança e falar sempre a verdade, e amar de verdade, e gostar de verdade. Quando criança, o maior problema que se pode ter é cair e machucar o joelho. Criança não machuca o coração. Não guarda mágoas. Quem dera eu se pudesse voltar a ser criança pra poder valorizar aquilo que nós, geralmente, esquecemos: as pessoas. Muito mais do que responsabilidade, maturidade, nós vamos ganhando frieza à medida que vamos crescendo. Queria voltar a ser criança, quem sabe assim, aprenderia, finalmente, como é ser adulto. Se eu pudesse voltar no tempo, voltaria exatamente naquele instante gostoso em que a maior preocupação que se pode ter é qual a próxima brincadeira. Aquele tempo em que a imundície humana era menos perceptível. Aquele tempo em que tanta gente ainda não tinha ido embora. Aquele tempo em que a gente acreditava que quem a gente ama dura para sempre.
Quem dera se eu pudesse voltar a ser criança e carregar essa criança pra vida toda. Porque criança é que vive de verdade.


- Texto dedicado à minha amiga Rafaella. (Quando vi suas fotos, senti necessidade disso, espero que goste)

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Nada

Queria que não sobrasse nada. Nada mesmo. Não sobrasse nada de mim quando eu errei. Queria que não sobrasse nada de mim quando riram da minha cara. Menos ainda quando dei motivo para o riso. Queria que não sobrasse absolutamente nada de um passado cheio de tristezas. Queria que nenhuma sombra ou cicatriz pudesse ter sobrevivido ao poder implacável do tempo - que consegue apagar tantas coisas, mas não outras tantas, por mais que tente. Queria que não tivesse sobrado nada pra eu poder me fazer de novo. Começar do zero, sem nenhuma interrupção de algum resquício sentimento ruim que vez por outra vem me assombrar. Vem cochichar nos meus ouvidos um mundo de infelicidade que o tempo não conseguiu varrer, talvez porque eu mesmo tenha escondido a vassoura. Queria que não tivesse sobrado nada pra eu poder tecer, finalmente, o meu final feliz sem depender das circunstâncias tantas que me rodeiam e que, de uma forma ou de outra, me fizeram chegar até aqui. Agora não tem mais tempo, agora eu já sou que sou. Infelizmente sobrou e sobrou muito de mim pra que eu pudesse estar escrevendo agora. 

Tem gente querendo fugir do mundo. Eu queria poder fugir de mim. Só pra experimentar, só pra saber como é.

terça-feira, 10 de maio de 2011

Às vezes sinto coisas que eu não sei dizer o quê. Sinto um vazio tão grande dentro de mim, como se estivesse sempre a procura de. Estou cansado de procurar, queria mesmo era ser achado. O problema é que eu acho que já me perdi de mim mesmo a muito tempo. E o tempo não volta mais. E os muros não param de crescer.

sexta-feira, 6 de maio de 2011

terça-feira, 26 de abril de 2011

Um tempo..

.

Desculpem o sumiço. Vou sumir mais pouquinho, preciso de um tempo pra colocar o minha vida no lugar e reorganizar as coisas dentro e fora de mim

Não demoro.

"Há momentos em que tudo o que a gente precisa é dar colo para o próprio coração". 
(Ana Jácomo)

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Carta de amor pro Céu I

Querida Vó,

         Eu acho engraçado em como a gente pode ser transportado a lugares inacessíveis através dos nossos sentimentos. Podemos ir e vir, de um lado pro outro, vasculhar cada cantinho da nossa vida que jamais será esquecido se, naquele instante, houve amor. E é desse amor que queria falar. Já fazem quase 3 anos. E não teve um só dia em que, pelo menos por um minuto, eu não pensasse em você. É involuntário. Basta sentir um cheiro, ouvir um ruído ou ver alguma coisa em especial, que me lembro de você. Muita coisa me lembra de você. Durante esses anos, eu venho aprendido a não sofrer quando essa lembrança vem à tona. Aprendi a tirar esse peso fúnebre que envolvia essa saudade e transformá-la num símbolo de amor. E, pra mim, você será sempre lembrada assim, como realmente foi, amor. Eu acho delicioso pensar no dia em que iremos nos encontrar de novo. Parei de chorar porque você se foi e passei a pensar que isso aqui, a vida, é uma coisa tão pequena e tão passageira diante da grande e gloriosa vida que nos espera depois daqui. Às vezes não é fácil, eu sinto saudade sim. Vontade de te abraçar, de estar com você. Às vezes sinto saudade até de mim. Saudade de quem eu era quando estava ao seu lado, sem nenhuma vergonha dos meus sentimentos, de ser quem eu sou. É preciso coragem pra ser quem se é, sem enfeites, sem máscaras. Você me dava liberdade pra ser quem eu sou e me aceitava assim. Eu também aceito você. De todo meu coração. As coisas mudaram um pouquinho desde que você foi morar na sua “nova casa”. E algumas coisas continuam do mesmo jeito, com a mesma veia. Acredito que você era um alicerce pra nossa família. Antes era “nós” agora ficou muito mais “eu” do que eu gostaria. Mas não quero me lamentar. Muito pelo contrário. Quero celebrar o amor vivido. Com toda intensidade com que foi vivido, com toda verdade com que foi sentido. Quero poder dizer que esse amor continua vivo e forte. E sempre estará. Eu vou sempre me lembrar da minha vó Elza querida, que eu tanto amo e que, pra mim, passou a ser símbolo de amor. De amor compartilhado. De confiança pra poder ser o que se é sem reservas. E olha, eu tenho aprendido muito com as pegadas que você deixou. Tenho esperança de um dia poder ser para alguém o que você é pra mim. Porque eu também quero contagiar quem quer que seja com esse amor, que eu aprendi tanto com você. Eu guardo você no meu coração. Guardo porque eu sei que você está ali, sempre deixando esse amor fluir. Esse amor que brota fácil, que nunca mais vai embora. Gosto de imaginar que você ainda pode me ouvir. E às vezes conto pra você como foi meu dia, me exponho por inteiro, mesmo sem pronunciar uma palavra. Eu sei que você não pode me ouvir e que também não pode ver. Mas sei também que enquanto esteve aqui, pôde me amar e eu sou muito grato por também ter sido alvo desse amor. Ele foi correspondido. E ainda é.
Até o dia em que formos morar juntos de novo, aí, na sua nova casa, o céu.

Com amor, 
do seu neto que te ama tanto tanto.

quinta-feira, 7 de abril de 2011

NOJO


Essa semana passou no Profissão Repórter uma matéria sobre o abuso sexual e, foi constatado que a maioria dos casos acontecem com crianças e o pior, dentro de suas próprias casas. Agora, tivemos a notícia das aproximadamente 11 crianças que foram assassinadas na escola de Realengo. Crianças. Sim, aquelas que deveriam estar brincando e aprendendo, crescendo de forma natural e não sendo usadas ou simplesmente assassinadas sabe-se lá o porquê. Mas isso, todo mundo já sabe. Sempre ocorre comoção e todos ficam chocados, mas e aí? Que providências são tomadas? E aí, que depois começa a novela e todo mundo esquece daquelas crianças, vítimas de um desconhecido armado ou até dos seus próprios pais. Os jornais nos assustam pelo tanto de reportagens sobre o crescente "abuso infantil". Digo mais uma vez: Crianças, C-R-I-A-N-Ç-A-S. A única coisa que consigo sentir agora é nojo. Me embrulha o estômago admitir que assim como essas crianças que são noticiadas, existem tantas outras que sofrem em silêncio. Eu gostaria de poder dizer que isso pode melhorar... Dizem que o mundo está acabando, mas eu acho é que estão acabando com ele.

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Pra você

Hoje eu quero uma poesia sem enfeites. Hoje eu não quero fantasiar meus sentimentos. Quero escrever do meu jeito démodé, sem medo de errar, sem medo de ser feliz. Não quero reservas nem polidez. Eu preciso sentir que estou vivo. Preciso de tato. De calor. Preciso de você aqui. Quem é você e aonde você está? Estou te esperando a tanto tempo que nem sei. Só sei que você existe. Tomara que também esteja procurando por mim.

segunda-feira, 28 de março de 2011

"Mas o Senhor está comigo como um poderoso guerreiro; por isso, tropeçarão os meus perseguidores e não prevalecerão, serão sobremodo envergonhados; e, porque não se houveram sabiamente, sofrerão afronta perpétua, que jamais se esquecerá".
Jeremias 20:11

quinta-feira, 24 de março de 2011

Vinte anos de menos, só seria mais jovem. Nunca, mais amorável. Já desejei ser outro. Não desejo mais não. (Adélia Prado)

segunda-feira, 14 de março de 2011

De portas abertas


Já tive os meus dias de me torturar quando um amor não era correspondido. Já tive aqueles tempos de chorar, me esconder ou querer fugir de tudo e todos. Mas aprendi que o mundo realmente não acaba quando isso acontece. Aprendi a ter paciência e serenidade pra encarar a vida do jeito que ela é e não do jeito que eu gostaria que ela fosse. Aprendi a não ficar sempre na defensiva e simplesmente abrir as portas do meu coração. Estou me dando uma segunda chance e quem sabe uma terceira. A gente nunca sabe quando o amor acontece...

quinta-feira, 10 de março de 2011

Pra quem precisa conhecer

Chegou de mansinho como quem não queria nada e foi ganhando espaço, invadindo meus sentimentos. Eu não sabia direito quem era, só sabia que cada vez mais, tomava proporções maiores dentro de mim. Ia se alojando no meu coração como se já fosse pra estar ali a muito tempo. Disse que queria me conhecer. E ali ficou, calado e sem se apresentar. Foi aos poucos se revelando, até que um dia ele disse: Prazer, eu sou o amor próprio!

segunda-feira, 7 de março de 2011

E o que fazer quando a gente sente saudade?

Eu disse que te amava, você já tinha alguém. Você me compreendeu, mesmo sem me dar esperanças e eu fui embora. Nunca mais te vi, mas sinto saudade. Saudade dos seus grandes olhos verdes e do seu sorriso. Tenho saudade de conversar com você. Sinto falta de te ver. Eu nem sei mais aonde você está. Mas não quero correr atrás, ser inconveniente. Não quero mendigar afeto! Dói demais e eu não aguento. Sempre foi assim... 

sexta-feira, 4 de março de 2011

Lembrar com amor



Lembrar com amor é oferecer, no coração, um sorriso que se expande. É um jeito instantâneo e poderoso de prece. É um modo de abraço, não importa o aparente tamanho da distância, nem as enganosas cercas do tempo. Lembrar com amor é levar a vida, no exato instante da lembrança, ao lugar onde a outra vida está e plantar uma nova muda de ternura por lá.

da grandiosa Ana Jácomo 
- saudades, vó.

quarta-feira, 2 de março de 2011

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Pra não dizer que foi em vão

Eu prefiro ficar imaginando finais felizes pra nossa história . Eu prefiro dizer pra mim mesmo que tudo é como eu queria que fosse. É que eu tenho aprendido com o tempo que algumas feridas podem, pelo menos, ser menos dolorosas se a gente soprar. Percebi, finalmente, que a hora é agora. Chega de coisas que eu queria ter feito, de fotos aonde eu queria estar e de tantas risadas que poderia ter dado! Parece que fui vivendo pela metade o tempo todo, esperando a hora certa pra ser feliz. Hoje, acabei descobrindo que perdi tempo e que o tempo não volta mais. Nunca mais.

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Intensamente

                                            Imagem do weheartit da Carol

Abrindo o meu coração pra vida. Estou me dando, pela primeira vez, a oportunidade de ser feliz por completo. A felicidade requer disposição, esforço e paciência. Estou me presenteando com uma vida deliciosa de se viver. Lindamente. Intensamente. De verdade.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Aprender a desistir

Muitas vezes, temos que aprender a desistir. Desistir daquilo que nos faz mal, desistir daquilo que pode nos trazer problemas, desistir daquilo que é auto-destrutivo. Mas às vezes, também, temos que desistir dos nossos grandes sonhos por algum tempo porque pode ser uma coisa boa pro nosso futuro. Talvez, seja preciso maior amadurecimento pra podermos realizá-los, por mais que essa pareça a hora certa. Desistir nunca é fácil, de um sonho, então... Mas, algumas vezes, é melhor agir com um pouco de razão e saber que os seus sonhos não podem interferir na vida de outros.
O sonho ainda existe, ele vai ficar guardado na gaveta por algum tempinho, mas nunca vai morrer.

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Vazio

Às vezes, é exatamente assim que me sinto, completamente vazio. Vazio de amor, vazio de alegria, de vida. Me sinto tão apagado, eu sempre caio tão depressa. Sinto, às vezes que o amor e todas as suas delícias se esqueceram de mim, esqueceram que eu também queria conhecê-los. Às vezes tenho medo da solidão, embora, seja ela minha mais fiel companhia. Às vezes, só às vezes...

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Eu decidi

Odeio fazer escolhas, sempre que você escolhe uma coisa, conseqüentemente, deixa outra. Assim, às vezes, fico parado por covardia de escolher algo. Hoje decidi que vou decidir. O primeiro passo foi tão difícil, mas o outro já nem tanto. Resolvi decidir muitas coisas que estavam pendentes e quase enferrujando dentro do meu coração. A primeira coisa que decidi é não fazer minha felicidade dependente de outro alguém. Decidi me amar primeiro, pra depois pensar se quero amar outro coração junto com o meu.

domingo, 16 de janeiro de 2011

Antes de dormir

Fecho os olhos e imagino um dia bom. Peço a Deus que o  faça real. E como se atendesse a minha prece, eu ouço Ele dizer: "dorme em paz, meu filho, Eu estou sempre com você!".

É muito bom ter essa confiança.

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Ultima folha do caderno

Hoje me despeço da tristeza e da solidão que vêm me assombrando a tanto tempo. Me despeço das lágrimas, do medo de ser feliz. Porque eu simplesmente decidi ser tudo o que eu sempre sonhei: completo! Estou pintando um dia colorido com sol dourado, ou talvez, com chuva cristalina. O importante é que decidi ser feliz apesar de.
Tudo pode tomar uma perspectiva tão maravilhosa quando se resolve aceitar a vida com alegria! Eu quero pés no chão, banho de chuva, praia e luar. E se não tiver tudo isso, eu invento. Hoje, eu descobri que a gente mesmo fica se aterrorizando com algumas feridas que parecem tão visíveis, mas que na verdade, são transparentes aos olhos dos outros. Estou mudando de vida...

sábado, 1 de janeiro de 2011

Feliz Ano Novo

Não. Eu não vim aqui deixar mais uma mensagem fúnebre ou triste. Afinal, no ano novo todo mundo finge que foi feliz o ano todo e que vai ser outra vez. Mas, eu gostaria mesmo de dizer que eu espero que em 2011 não haja luta sem crescimento, nem lágrima sem aprendizado. Afinal de contas, quando uma porta se fecha, temos de abrir as janelas. Muito obrigado por quem esteve aqui, lendo, revivendo, se emocionando ou não. Um grande abraço!