terça-feira, 18 de novembro de 2014

FEELS LIKE HOME

Entre a minha enorme lista de manias estranhas (sim, tenho muitas!), está essa que vou confessar agora: sempre que vou a uma loja Americanas ou Leitura, dou um jeito de ir até a seção dos CD's e escondo os que eu gosto. Sim, eu pego todos os que eu gosto/quero-pra-mim e coloco pra trás, junto com os encalhados de 1900-quando-eu-era-criança. O motivo? Um dia irei voltar lá e comprar TO-DOS os que eu escondi. Eu sei direitinho quais são. Um deles, que sempre escondo, é o álbum "Feels Like Home", da Norah Jones. Quando foi lançado, em 2004, eu lembro de ter querido, mas, estávamos na época das vacas magrinhas, magrinhas... em que requeijão era luxo e carne assada era só no Natal, portanto, dar mais de trinta reais em um CD era uma coisa meio que fora de questão. E eu sempre quis muitos CD's. Originais, claro! Nunca gostei de falsificados e os originais vinham com as letras das músicas no encarte, o que me pouparia o tempo de ter que ir escutando, pausando e anotando a letra de cada uma delas. Saudades da época em que Vagalume (a grafia correta é "vaga-lume", não?) era só o inseto da bundinha brilhante mesmo. E acesso ao computador era só no escritório do meu pai. Sim, crianças, houve um tempo não tão distante assim (ok, lá se vão mais de dez anos...) em que muita gente não tinha acesso à internet em casa. Enfim, dia desses, navegando nesse mundo paralelo virtual, eis que descubro, no youtube, o álbum inteirinho pra ouvir. Foi o deleite da semana. Do mês. Talvez do ano (tá competindo com a barra de chocolate delicinha de 130gr por R$ 3 no EPA). Mas, ouvir Norah Jones num período de tensão como o TCC é quase uma tortura. Tô passando os dias comendo (e muito, viu?! tô de parabéns!), fazendo trabalho e ouvindo Norah Jones e chorando, relembrando todos os amores e desamores dessa minha vida... Todas as músicas são gostosas de ouvir, mas, já vou avisando: dá uma vontade danada de amar. Hahahahahaha! Sim, meus queridos, vontade imensa de achar o amor da nossa vida e ficar dançando coladinho. Essas músicas mexem com alguma coisa adormecida dentro da gente. Acendem faíscas! Um mix de melancolia com vontade de amor. Isso é tão eu! O nome do álbum fez todo sentido agora... "feels like home", entenderam, né?! Eu realmente não teria maturidade pra essas músicas em 2004!


p.s.: Ainda quero o CD e vou continuar escondendo até comprar. Não gosto de ter coisas no campo virtual... Gosto de livros e fotos de papel e músicas no CD. (E de ouvir a mesma música um milhão de vezes pausando pra anotar a letra)


Vou dividir esse achado com vocês (espero que tenham quem amar ao som de):






sexta-feira, 7 de novembro de 2014

UMA PROMESSA

Na bagunça do meu coração eu me perco
perco as chaves, perco a esperança
perco o dia, perco a hora, perco o trem.
Eu estou perdido nessas emoções todas!
Queria voltar a ter seis anos
e acreditar quando minha mãe dizia que eu era lindo.
Era tudo tão mais simples
quando a opinião da mãe da gente bastava...
A gente vai crescendo junto com as complicações
cada vez mais profundas e intransponíveis,
as pessoas cada vez mais implacáveis e duras.
“Você tem que crescer!” – eles dizem
Eu só nunca tinha parado pra pensar
que pra ser grande
a gente tem que ir deixando de sentir,
de se importar
aos poucos,
pra sempre!

Hoje eu estou no chão,
mas eu vou enfrentar a vida como um leão,

isso é uma promessa.