quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

Sobre o Natal e suas luzes (ou não)

Esqueceram de ligar o pisca-pisca da árvore a semana inteira
o pai brigou com a mãe na segunda, na terça, na quarta e na quinta também
(continuam brigando!)
a mãe brigou com o filho, o filho com o irmão
Se machucaram e se magoaram repetidas vezes
- infinitas! -
o ano inteiro...
Mas o Natal chegou,
aí a gente coloca as dores todas numa gaveta e abre ano que vem
essa semana é de festa, inventa um sorriso!
Eu me lembro que sempre gostei muito das festividades de final de ano
sempre na expectativa, ansioso e feliz
Naquela época, fazíamos amigo oculto de dez reais
porque tinha menos dinheiro e mais gente,
menos dinheiro e mais ternura
Afinal de contas, o que é mais importante?

Quem tem dinheiro, manda!
Quem tem dinheiro, diz o que, aonde e porque!

Eu nunca soube fingir felicidade
e tenho tido cada vez menos vontade até de me esforçar
Me desculpem, mas, eu não vou fingir um sorriso
segurar o choro já está difícil demais!

(eu quero sumir daqui!)


segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

MEU ERRO FAVORITO



Me perdoe a inabilidade
de traduzir sentimentos nesse monte de palavras bobas
se, às vezes, numa frase completamente sem nexo,
expresso meus sentimentos mais nobres
Me perdoe, talvez, o português descompromissado
ou, ainda, por não conseguir dizer tudo o que deveria
Juro que tento!
Essa é uma das tentativas (frustradas) de dizer
que mesmo enxergando todas as nossas diferenças,
sabendo que você não está nem um pouco a fim,
eu penso em você,
em nós...
Faço jogo, faço tipo
tentando te enganar
e tentando me enganar também
e nunca consigo!
Não sou bom em jogos, você sabe
sempre fui café-com-leite no amor
Me perdoe por não ser aquilo que você procura,
mas, saiba que, de todos os meus erros,
(acredite, foram muitos!)

 você é o meu erro favorito